DESTINO FINAL

26 de set de 2009

O ANTI-SEMITISMO CRISTAO

À pergunta: "Por que ainda hoje a Europa é tão inimiga dos judeus?", o escritor israelense Ephraim Kishon respondeu:

Por que o mundo é tão pró-palestino? Por que ama os palestinos?

Não, mas por ser contra os judeus. Eu disse a um amigo curdo que a revolta deles está fadada ao fracasso desde o princípio, porque eles não lutam contra os judeus. O anti-semitismo é uma doença atávica e patológica. (nai 11/99)

Isso significa que o anti-semitismo é "uma doença renitente, em contínuo desenvolvimento, impossível de ser controlada".

Realmente, não houve nenhuma década do século 20 em que não tivessem acontecido manifestações e abusos mais ou menos intensos contra os judeus. A seguir apresentamos apenas alguns exemplos típicos do que aconteceu com os judeus durante a história:

O anti-semitismo na história

Após os dois levantes judeus de 70 e 135 d.C., sufocados pelos romanos da maneira mais brutal, tentou-se eliminar o nome da pátria judaica, mudando o de Jerusalém para "Aélia Capitolina" e transformando a Judéia em "Palestina Síria", para que não houvesse mais lembrança dos judeus.

Por volta de 160 d.C., Justino, o Mártir, condenou os judeus como "filhos de meretrizes".

Em 200 d.C., Tertuliano escreveu o primeiro manifesto cristão sistemático contra os judeus. Ele também já tinha passado a considerar a Igreja como sendo o verdadeiro e eterno Israel. Depois disso foram publicados muitos outros panfletos anti-judeus por Pais da Igreja.

Em 250, Cipriano, um dos Pais da Igreja, escreveu: "O diabo é o pai dos judeus". Mais tarde, essa acusação passou a ser encontrada constantemente no anti-judaísmo cristão.

Em 325, no Concílio de Nicéia – pela primeira vez em um concílio –, não foram convidados bispos judeus-cristãos. A festa da Páscoa foi transferida para o domingo após pessach (a páscoa judaica) com a justificativa: "Seria o cúmulo da falta de reverência seguirmos as tradições dos judeus nesta maior de todas as festas. Não devemos ter nada em comum com esse povo abominável".

Em 387 d.C. teve início a maior campanha de instigação cristã contra os judeus de que se tem notícia na Antiguidade – e ela foi patrocinada pelo Pai da Igreja João Crisóstomo, a partir de Antioquia (Síria). Ele disse, por exemplo, que a sinagoga era "lugar de blasfêmia, asilo do diabo e castelo de Satanás".

Em 415, o bispo Agostinho de Hipona escreveu que os judeus carregam eternamente a culpa pela morte de Jesus. Em decorrência, o monge Barzauma instigou uma perseguição aos judeus em Israel, quando inúmeras sinagogas foram destruídas.

Em 538 foi vetada a entrada de judeus nas guildas (associações de mutualidade formadas na Idade Média entre as corporações de operários, negociantes ou artistas), restando à maioria deles apenas a opção do comércio.

Em 613 foi dado um ultimato a todos os judeus da Espanha: batismo ou desterro. Posteriormente, o Sínodo de Toledo ordenou que todos os judeus "renegados" fossem executados nas fogueiras da Inquisição.

Em 1021 Roma foi sacudida por um terremoto na Sexta-Feira da Paixão. Em conseqüência, judeus foram presos e acusados de terem furado uma hóstia com um prego. Eles foram torturados e queimados na fogueira.

Em Paris, no ano de 1240, foram queimados publicamente por monges dominicanos todos os exemplares disponíveis do Talmude. Essa foi a primeira queima oficial de escritos judaicos pela igreja católica.

Em 1348 a "peste negra" (peste bubônica) se alastrava pela Europa, dizimando um terço da população. Os judeus foram acusados de envenenar as fontes de água, causando a epidemia. O papa Clemente VI expediu uma bula em que declarava todos os judeus inocentes dessa acusação, mas não foi possível impedir que, em quase todas as localidades nas quais havia uma comunidade judaica, irrompessem "pogroms" matando inúmeros judeus.

Em 1401 foram queimados vivos 48 judeus em Schaffhausen (Suíça).

Em 1431 o Concílio de Basiléia determinou que os judeus tinham de viver separados dos cristãos. Desse modo surgiram em muitas cidades os bairros judeus, mais tarde chamados de "guetos".

Em 1523 Lutero escreveu que Jesus era "judeu de nascimento". Ele empenhou-se para que os judeus fossem tratados de maneira amistosa, para levá-los à conversão. Vinte anos depois, em 1543, decepcionado porque os judeus não se convertiam à fé evangélica, Lutero lançou seu manifesto anti-judaico "Sobre os Judeus e Suas Mentiras". Nesse livro ele propunha que as sinagogas deveriam ser queimadas. Pouco tempo mais tarde, o príncipe da Saxônia expediu um rigoroso mandato anti-judaico, tendo por base os escritos de Lutero.

Em 1756 o filósofo francês Voltaire lançou suas "Obras Completas", contendo uma série de violentas passagens anti-semitas.

Em 1879 o alemão Wilhelm Marr fundou a Liga Anti-Semita; ele é considerado o criador da expressão "anti-semitismo".

Em 1880 o "filósofo do anti-semitismo" Eugen Dühring publicou sua obra "A questão judaica como questão de raça, nociva à cultura e à existência dos povos". Ele escreveu:

A origem do desprezo generalizado pelos judeus reside em sua absoluta inferioridade em todos as áreas intelectuais... Trata-se de uma raça inferior e degenerada. É tarefa dos povos nórdicos "arianos" exterminar raças parasitárias desse tipo, assim como costumamos exterminar cobras e outros predadores.

Em 1881 Richard Wagner publicou um ensaio onde recomendava o anti-semitismo político e classificava os judeus de "demônio causador da decadência da humanidade".

Em 1903 eram publicados pela primeira vez, em São Petersburgo, os "Protocolos dos Sábios de Sião", profundamente anti-semitas. Os "Protocolos", escritos por anti-semitas cristãos, falam de uma conspiração mundial judaica para o domínio do mundo. Infelizmente, desde então houve e há muitos que sucumbiram às mentiras dos "Protocolos dos Sábios de Sião", dando-lhes mais crédito que às verdades bíblicas. Certa vez até recebi uma pregação gravada em fita atacando o judaísmo, na qual o pregador se baseava nos "Protocolos", vangloriando-se de tê-los em seu poder.

Em 1905 foi fundada a "União do Povo Russo", de cunho anti-semita.

Em 1918 foram afogados no mar em Ialta 900 judeus pelas mãos de anti-semitas e em Sebastopol (Criméia) todos os líderes judeus foram assassinados.

Em 1922 o ministro do Exterior da Alemanha, Walther Rathenau (o primeiro judeu a ocupar esse cargo), foi assassinado por anti-semitas. Mais tarde Hitler anunciava: "o extermínio dos judeus será minha prioridade ao assumir o poder. Eles não sabem proteger-se a si mesmos e ninguém vai apresentar-se como seu protetor".

Em 1938 aconteceu a chamada "Noite dos Cristais" na Alemanha, quando 191 sinagogas e inúmeras instalações judaicas foram destruídas, 91 judeus foram assassinados e 30.000 arrastados para campos de concentração. Durante a Segunda Guerra Mundial foram mortos seis milhões de judeus. (Israel Heute)

O anti-semitismo hoje

Deveríamos ter aprendido da história. Mas o contrário parece estar acontecendo. Em ritmo crescente ouvem-se novamente manifestações anti-semitas de políticos europeus. Na Rússia os judeus temem abusos anti-semitas e as pressões da União Européia e dos EUA sobre Israel aumentam. Isso sem considerar o comportamento das nações islâmicas contra o povo judeu.
Quando Hillary Clinton, esposa do então presidente dos EUA, esteve em Israel, causou perplexidade o fato dela não ter reagido a uma manifestação anti-semita da esposa de Arafat, simplesmente ignorando suas palavras e prosseguindo com a programação. Suha Arafat tinha afirmado em uma entrevista coletiva:

Israel envenena o ar e a água dos palestinos em Gaza, na Judéia e Samaria. Dessa forma os israelenses desencadearam câncer em muitas mulheres e crianças palestinas. Elas morreram dessa efermidade.

Hillary Clinton não reagiu, levantou-se, abraçou Suha Arafat depois dela encerrar suas declarações, e fez o discurso que havia preparado. A senhora Clinton foi duramente criticada nos Estados Unidos e em Israel por não ter reagido a um ataque tão forte contra Israel. Em Israel as afirmações de Suha Arafat desencadearam uma onda de indignação. Muitos vêem nisso o retorno de uma acusação anti-semita por demais conhecida: os judeus envenenam os poços. (IN)

Algumas semanas após o trágico acidente com um avião da "Egypt Air" em 31 de outubro de 1999, a imprensa egípcia, leal ao governo, não hesitou em lançar a culpa do acidente sobre Israel. (IN)

Sem dúvida vivemos em uma época extremamente palpitante da história de nosso mundo. A Palavra Profética torna-se palpável e os contornos dos últimos acontecimentos mencionados na Bíblia delineiam-se cada vez mais. Assim, por um lado aumenta a pressão sobre Israel – por outro lado, cresce entre as nações o temor do perigo islâmico. O mundo não é pró-Israel, mas sabe que trata-se do único país democrático no Oriente Médio, o único baluarte do Ocidente que se opõe ao crescente perigo representado pelo islamismo e pela dependência do petróleo.

Por essa razão, muito em breve poderia acontecer a apresentação de uma "proposta de paz" das nações ocidentais para o Oriente Médio. Israel vai ser levado a entregar a maior porção possível de terras para tentar satisfazer as nações árabes. Então, já que, por interesse próprio, não se pode abandonar Israel à própria sorte, oferecer-se-ão a este povo certas garantias de segurança através de um acordo de paz e de um programa de defesa. Porém, baseados em certas passagens bíblicas, sabemos que isso tudo não vai dar certo, mas que vai conduzir a catástrofes de graves conseqüências para Israel e as nações, até que Jesus Cristo voltará e trará Seu reino de paz.

Qual o alvo específico do ódio aos judeus em nossos dias?

Qual é o segredo do anti-semitismo? Em seu sentido mais profundo, o anti-semitismo é um ataque do inferno contra o próprio Senhor Jesus: "Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram contra o Senhor e contra o seu Ungido... Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião" (Sl 2.2,6). O "príncipe deste mundo" tenta impedir, através de todos os meios, o domínio do Ungido de Deus, Jesus Cristo, e inspira as nações a destruir Israel. Herodes, com a matança das crianças em Belém, já tentou matar a Jesus. A humanidade cada vez mais ímpia também será sempre mais contrária a Israel, pois Jesus voltará para lá como filho de Davi e ali estabelecerá Seu reino mundial.

Como nós cristãos deveríamos lidar com o anti-semitismo?

Em primeiro lugar, devemos cuidar para não sermos arrastados pela tendência anti-semita, influenciados pela política, pela imprensa ou mesmo pelos erros cometidos por Israel. As emoções e o clima reinante não deveriam nortear nossas atitudes e nossa posição com relação a Israel, mas sim a Bíblia. Devemos lembrar que em Sua Palavra o Senhor prometeu a Abraão, de maneira muito explícita, que Sua aliança com ele seria de geração em geração, até a eternidade: "Estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência no decurso das suas gerações, aliança perpétua, para ser o teu Deus e da tua descendência" (Gn 17.7). Maria, mãe de Jesus, conhecia muito bem sua Bíblia. Por isso, inspirada pelo Espírito Santo, citou essa promessa em seu cântico: "A sua misericórdia vai de geração em geração sobre os que o temem... Amparou a Israel, seu servo, a fim de lembrar-se da sua misericórdia a favor de Abraão e de sua descendência, para sempre, como prometera aos nossos pais" (Lc 1.50,54-55). E o apóstolo Paulo diz com muito clareza: "Deus não rejeitou o seu povo, a quem de antemão conheceu... Porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis" (Rm 11.2,29).

Assim, Jesus não veio a este mundo para tirar as promessas de Israel, mas, pelo contrário, para confirmá-las: "Digo, pois, que Cristo foi constituído ministro da circuncisão, em prol da verdade de Deus, para confirmar as promessas feitas aos nossos pais; e para que os gentios glorifiquem a Deus, por causa da sua misericórdia, como está escrito (Sl 18.49): ‘Por isso, eu te glorifiquei entre os gentios e cantarei louvores ao teu nome’. E também diz (Dt 32.43): ‘Alegrai-vos, ó gentios, com o seu povo"’ (Rm 15.8-10).

Quanto o cristianismo falhou nesse sentido! No decorrer dos séculos ele não apenas rejeitou a Israel teologicamente e lhe roubou as promessas. Além disso, ao invés de alegrar-se com Israel, o cristianismo tornou-se o maior inimigo desse povo e sucumbiu ao anti-semitismo. Mas, no final, o anti-semitismo sairá perdendo. Em 1938, após a "Noite dos Cristais", quando foram queimadas na Alemanha as sinagogas judaicas, não demorou muito até que toda a Alemanha também estivesse em chamas. Assim, para sua restauração espiritual futura com a volta do Messias, o Senhor deu a Seu povo a promessa: "Não te permitirei jamais que ouças a ignomínia dos gentios; não mais levarás sobre ti o opróbrio dos povos, nem mais farás tropeçar o teu povo, diz o Senhor Deus" (Ez 36.15). Somos conclamados a nos alegrar com Israel e a nos colocar a seu lado ministrando-lhe nossa bênção!

(*Para mim, cristao anti-semita é um filho do diabo e engana-se acerca da sua salvacao! Porque nós cristaos genuínos amamos Israel pois nosso Deus o ama, nao temos o direito de julgar se eles aceitaram ou nao à Jesus, o que importa é que devemos obedecer à Deus e amá-los da mesma forma, dando-lhes suporte, orando para a salvacao deles como manda nosso Deus. Jesus nos exorta à amarmos nossos inimigos, que dirá o povo, o qual foi escolhido por Deus para trazer nosso REDENTOR ? Será que foi coincidência Jesus exortar os cristaos à amarem seus inimigos? Claro que nao! Ele sabia do ódio e da inveja dos falsos cristaos com relacao à Israel. Cristaos que em nome de Cristo matariam os Judeus sob o pretexto de vinganca por terem rejeitado à Jesus.)

32 E se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam. 33E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. 34 E se emprestardes àqueles de quem esperais tornar a receber, que recompensa tereis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para tornarem a receber outro tanto. 35 Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus. 36 Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. (Lucas 6:32)

Maranata!

Fonte: Clique no Título

Profecia bíblica: Consolo, não Discórdia!

"A profecia bíblica não foi dada para que houvesse discórdia entre nós, e sim para que nos consolássemos com suas palavras."

1 NÃO se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
2 Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
3 E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.
4 Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho.
5 Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?
6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
7 Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.
8 Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.
9 Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
10 Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.
11 Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras.
12 Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai.
13 E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
14 Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.
15 Se me amais, guardai os meus mandamentos.
16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre;
17 O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.
18 Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.
19 Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais, mas vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis.
20 Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós.
21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.
22 Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo?
23 Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.
24 Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou.
25 Tenho-vos dito isto, estando convosco.
26 Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.
27 Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.
28 Ouvistes que eu vos disse: Vou, e venho para vós. Se me amásseis, certamente exultaríeis porque eu disse: Vou para o Pai; porque meu Pai é maior do que eu.
29 Eu vo-lo disse agora antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.
30 Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim; (Joao 14:1-30)

25 de set de 2009

E O MUNDO NÃO ACABOU!

E o mundo não acabou!

A mídia veiculou anos atrás que o mundo acabaria no dia 11 de agôsto de 1999, 4a. feira da semana finda, segundo uma das "profecias" de NOSTRADAMUS. E, por incrível que pareça, muitos crentes chegaram a comentar como algo possível de acontecer.

Misericórdia! Gente, vamos estudar a Bíblia! A Bíblia é nossa única regra de fé e prática para nosso viver diário. ..."e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis". (I Cor 14:22)

Qual livro ou qual carta da bíblia Nostradamus escreveu? NENHUM e NENHUMA!

A bíblia, a Palavra de Deus, é uma coleção de 66 livros, em dois Tomos (Velho e Novo Testamento), escritos num período de cerca de 1600 anos, sendo que o Novo Testamento foi escrito e concluído no 1o. século de nossa Era, coerente e harmônica consigo mesmo, porque o Autor é o mesmo, o próprio Deus, através do seu Espírito Santo ."Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo". (II Pedro 1:20)

Nostradamus (nome verdadeiro: Michel de Notredame) nasceu em 1503 d.C., em St. Rémy, em Provença, França, e morreu em 1566 d.C. Estudou Filosofia e Medicina, graduando-se em 1529 d.C., e se tornou Astrólogo (não Astrônomo).

Em 1547 d.C., começou a fazer predições, publicando em 1555 d.C. um livro de "profecias" em rima, intitulado OS SÉCULOS, que se compunha de quadras grupadas às centenas, cada uma delas formando um "século". Diz-se que algumas de suas "profecias" se confirmaram e sua fama alcançou o mundo todo.

O significado de suas adivinhações, contudo, sempre foi motivo de controvérsia. Sobre o momento presente, ele predisse que, no último eclipse total do Sol deste 2o. milênio, seria o prenúncio do fim dos tempos, com grandes mudanças para o planeta Terra. A mídia já está falando que ele disse que o mundo vai acabar?

Curioso ser Nostradamus contemporâneo de MARTINHO LUTERO, o Reformador da Igreja. Lutero nasceu em 1483, em Eisleben, Alemanha. Em 31.10.1517 afixou suas 95 Teses nas portas da Catedral de Wittemberg, através das quais PROTESTAVA contra os desvios da Igreja e o seu maior pecado, de ocultar a VERDADE dos fiéis. A bíblia traduzida para línguas vivas (alemão, francês, inglês, espanhol) já tinha cerca de 30 anos quando Nostradamus escreveu suas "profetadas ou palhacadas".

O mundo - incluindo a Terra - foi feito por Deus e não terá seu fim conforme as previsões dos homens, mas, sim, de acôrdo com as Profecias que estão na bíblia, a infalível Palavra de Deus, você crendo ou nao. Mas se cremos que Deus veio ao mundo na Pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, temos que crer que Jesus Cristo virá buscar Sua Igreja, pois assim Ele prometeu. "E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou. estejais vós tambem." Jo.14:3

O mundo não acabará antes que a cronologia dos acontecimentos se sucedam pela ordem. O Universo é regido por Leis divinas; nao humanas e a História também. A 1a. vinda de Jesus Cristo ao mundo foi ato Redentor de Deus. A 2a. vinda de Jesus ao mundo acontecerá em duas fases bem distintas:

A primeira, Ele virá para ARREBATAR a Igreja fiel da Terra, os salvos; a segunda, Ele virá com a Igreja, para estabelecer Seu Reino de mil anos (o milênio). Entre a 1a. e a 2a. fases, acontecerá o que a bíblia chama de Grande Tribulação, e durará sete anos. O Arrebatamento da Igreja é, portanto, a consumação deste período da História.

A Igreja não passará pela Grande Tribulação. Os salvos reinarão com Cristo durante os mil anos - o Milênio! -- na terra, em paz perfeita, amor, respeito, segurança, alegria, harmonia; nesse tempo, Satanás e seus anjos estarão estarão presos e amarrados no abismo, e não tentarão a humanidade. ( Ap.20:1-3). Aleluia!

Depois do Milênio, Satanás será solto por um pouco de tempo para seduzir as nações, mas, logo em seguida será destruído e aprisionado de vez pelo Senhor Jesus: "O Diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como tambem o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos." (Ap.20:10).

Com o ARREBATAMENTO da Igreja será, sim, o fim do mundo para os que ficarem neste mundo, pois não haverá mais oportunidade de salvação, uma vez que o Espírito Santo terá sido levado da terra tambem. O mundo ficará insonso. Hoje, é o Espírito Santo que convence o homem dos seus pecados, da justiça e do juizo. Para o salvo em Cristo, o Arrebatamento será o maior momento de glorificação a Jesus, pois subirá com Cristo para estar para sempre com o Senhor.

O que é ARREBATAMENTO? Por definição, é tirar com violência, arrancar, tirar à força, levar bruscamente. Jesus virá para ARRANCAR, ARREBATAR Sua Igreja do cáos do mundo em que vivemos. Como a bíblia fala das Bodas do Cordeiro, será o momento em que o Noivo, Jesus, virá para buscar Sua Noiva, a Igreja, para as Bodas Celestiais, conforme Ap. 21:9. "...veio um dos sete anjos...e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a Noiva, a esposa do Cordeiro."

Quem participará do ARREBATAMENTO? Serão ARREBATADOS somente os salvos, os que crêem em Jesus como seu Salvador e Senhor pessoal, conforme Atos 1:10 a 12 . Importante notar que não se trata simplesmente o fato de ser membro de uma Igreja; isto não é credencial para ser arrebatado. A distinção entre nós, homens, é ser filho de Deus em Cristo Jesus. É a relação da fé salvadora. E será na seguinte ordem, conforme 1 Ts. 4: v.16, Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; v.17, os que estiverem vivos por ocasião de Sua vinda, serão arrebatados para o encontro com o Senhor nos ares.

Que Deus abençoe Você, fortalecendo sua fé, edificando em Sua Palavra e colocando dentro de Você um forte desejo de esperar, ansiosamente, a vinda de Jesus para buscar os salvos. E, por falar em arrebatamento, Você tem a certeza de que vai subir com Jesus?

MARANATA!!!

Fonte: Clique no Título

PRETERISMO E ZACARIAS 12-14

Há algum tempo ministrei um curso sobre Escatologia (profecia bíblica) no Chafer Theological Seminary (Seminário Teológico Chafer, na cidade de Orange, California/EUA). Como o preterista* Ken Gentry mora perto do Seminário Chafer, eu o convidei a vir para falar à classe. Apesar do Seminário Chafer ser uma escola dispensacionalista, achei que seria saudável expor os alunos a uma posição oposta aos nossos pontos de vista, através da visita do Dr. Gentry. O Dr. Gentry foi bastante cortês em vir e nos dar uma apresentação de sua visão preterista do livro de Apocalipse.

Levantando a questão.

Durante um tempo de perguntas, indaguei-lhe sobre a relação entre Zacarias 12-14 e o preterismo. Primeiro lhe perguntei se, como preterista, ele acreditava que Zacarias 12-14 era uma passagem paralela ao “Sermão Profético” de Jesus (Mt 24-25; Mc 13; Lc 21.5-36). Ele disse que concordava. Observei, então, que Zacarias fala de “todos os povos” (Zc 12.2), “contra ela, (Jerusalém) se ajuntarão todas as nações da terra” (Zc 12.3), e “eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém” (Zc 14.2). Argumentei que esses versículos não pareciam estar falando dos romanos em 70 d.C. Mais adiante, Zacarias continua dizendo: “Naquele dia o Senhor protegerá os habitantes de Jerusalém” (Zc 12.8) e: “Então sairá o Senhor e pelejará contra as nações, como pelejou no dia da batalha” (Zc 14.3). Concluí que tudo isso não se encaixa com o que aconteceu a Jerusalém em 70 d.C., quando os romanos conquistaram Israel. Finalmente, a passagem diz que o Senhor salvará Israel naquele dia (Zc 14.3), ao passo que, em 70 d.C., o Senhor julgou Israel como está escrito em Lucas 21.20-24. Perguntei ao Dr. Gentry: “Como os preteristas podem dizer que Zacarias fala de 70 d.C. se, nessa passagem, o Senhor está salvando o Seu povo?”

Posição preterista.

É importante lembrar que o Dr. Gentry é um dos mais importantes preteristas do planeta. Sua resposta, em resumo, foi dizer que a Igreja havia substituído Israel. Isso é parecido com o que o falecido David Chilton disse em seu comentário preterista sobre o Apocalipse: Outra passagem paralela a essa é Zacarias 12, que retrata Jerusalém como um cálice de tontear para todos os povos (Zc 12.2; cf. Ap 14.8-9), um braseiro ardente que consumirá os pagãos (Zc 12.6; Ap 15.2). A ironia é que no Apocalipse, como temos visto repetidamente, o próprio Israel do primeiro século tomou o lugar das nações pagãs nas profecias, sendo consumido no braseiro ardente – o Lago de Fogo – enquanto a Igreja, tendo passado pelo holocausto, herda a salvação.[1] “Naquele dia o Senhor protegerá os habitantes de Jerusalém” (Zc 12.8).

Interpretando o texto

Falei ao Dr. Gentry que sua resposta não passava de “divagação teológica”. Ele havia chegado a uma mera conclusão teológica sobre o assunto, mas tinha falhado em dar uma interpretação textual. Perguntei-lhe objetivamente: “O senhor pode dar uma interpretação textual dessa passagem em Zacarias?” Ele respondeu: “Não”.

Os preteristas não conseguem dar uma interpretação textual de Zacarias 12-14 porque acreditam que a passagem se refere ao julgamento de Deus sobre Israel através dos romanos em 70 d.C. – o que é seu primeiro erro. Greg Beale diz: “Zacarias 12 não profetiza o julgamento de Israel e, sim, a sua redenção”.[2] Zacarias 12-14 fala claramente de um tempo quando Israel será salvo pelo Senhor de um ataque de “todas as nações da terra”, não somente dos romanos – e esse é o segundo erro. Nesse contexto, evidentemente, “Israel” tem de ser uma referência à Israel (e não à Igreja).

Como essa é a verdade, o evento de Zacarias 12-14 ainda não aconteceu na História. Isso significa que se trata de um evento futuro. O Dr. Beale faz um comentário sobre Daniel que se aplica também a Zacarias: O ônus da prova recai sobre os preteristas, para que forneçam um raciocínio exegético, tanto no que diz respeito a trocarem uma nação pagã por Israel como objeto principal do julgamento final de Daniel, como por limitarem o julgamento final principalmente a Israel e não o aplicarem universalmente.[3]

A posição textual (futurista, bíblica)

Tanto os preteristas quanto os futuristas (como eu) acreditam que em Lucas 21.20-24 Jesus profetizou a destruição de Jerusalém pelos romanos em 70 d.C. Usando Lucas 21.20-24 como base, observe os contrastes entre essa passagem e Zacarias 12-14, conforme observado por Randall Price:

Contrastes entre Lucas 21.20-24 e Zacarias 12-14

Lucas 21.20-24:

Cumprimento passado: “levados cativos para todas as nações” (Lc 21.24).
Dia da devastação de Jerusalém (Lc 21.20).
Dia de vingança contra Jerusalém (Lc 21.22).
Dia de ira contra o povo judeu (Lc 21.23).
Jerusalém pisada por gentios (Lc 21.24).
Tempo de domínio dos gentios sobre Jerusalém (Lc 21.24).
Grande aflição na terra (Lc 21.23).
Israel cairá a fio da espada (Lc 21.24).
Jerusalém destruída (70 d.C.) “para se cumprir [no futuro] tudo o que está escrito” [em relação ao povo judeu] (Lc 21.22).
A desolação de Jerusalém tem um limite de tempo: “até que os tempos dos gentios se completem” (Lc 21.24). Isso significa que haverá um tempo de restauração para Jerusalém.
O Messias virá com poder e grande glória para ser visto pelo povo judeu somente depois “destas coisas” – os eventos de Lucas 21.25-28 – que são posteriores [futuros] aos acontecimentos de Lucas 21.20-24.

Zacarias 12-14:

Cumprimento escatológico – “naquele dia” (Zc 12.3,4,6,8,11; 13.1-12; 14.1,4,6-9).
Dia de livramento para Jerusalém (Zc 12.7-8).
Dia de vitória para Jerusalém (Zc 12.4-6).
Dia de ira contra as nações gentias (Zc 12.9; 14.3,12).
Jerusalém transformada por Deus (Zc 14.4-10).
Tempo de submissão dos gentios em Jerusalém (Zc 14.16-19).
Grande libertação para a terra (Zc 13.2).
As nações trarão suas riquezas para Jerusalém (Zc 14.14).
Jerusalém salva e redimida, para que tudo que está escrito [em relação ao povo judeu] possa se cumprir (Zc 13.1-9; Rm 11.25-27).
O ataque a Jerusalém é a ocasião para a destruição final dos inimigos de Israel, encerrando, assim, “o tempo dos gentios” (Zc 14.2-3,11).
O Messias virá em grande poder e glória durante os eventos da batalha (Zc 14.4-5).[4]

Em razão das diferenças apontadas entre as passagens, é impossível harmonizar Zacarias 12-14 com eventos que já aconteceram. Trata-se de uma tentativa que agride a lógica. Mas algumas das maiores sumidades do preterismo continuam insistindo nesse absurdo.

Israel e as nações

O preterista Gary DeMar recentemente tentou uma interpretação de Zacarias 14.[5] Como era de se esperar, ele disse que Zacarias 14 “descreve eventos que antecedem a devastação e, inclusive, a própria destruição de Jerusalém em 70 d.C.”[6] DeMar não consegue mostrar a destruição de Jerusalém no texto de Zacarias. Ele interpretou a passagem de uma forma que eu chamaria de abordagem temática. Ele “pulou” e “dançou” em torno da passagem, desnudando-a do seu contexto. Pior ainda, ele a reembalou num falso contexto. Analisando apenas Zacarias 14, DeMar falha em oferecer qualquer evidência de que Deus está submetendo Israel ao juízo, como é claramente perceptível em Lucas 21.20-24. Na verdade, Deus está julgando as nações, pois o texto diz: “Procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém” (Zc 12.9), e: “Eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém... sairá o Senhor e pelejará contra essas nações” (Zc 14.2-3). Ao contrário do que diz DeMar, Deus está defendendo (Zc 12.8) e salvando (Zc 14.3) Israel dessas nações. Exatamente como em Mateus 24, em nenhum lugar o texto fala do Senhor vindo em julgamento contra o Seu povo. Tanto Zacarias quanto Mateus estão falando da salvação de Israel (Mt 24.31), e é por isso que o cumprimento das profecias de ambas as passagens será no futuro.

Conclusão

A única maneira que os preteristas encontram para lidar com Zacarias 12-14 é não considerar as palavras e frases no seu contexto literário, mas simplesmente declarar – como fizeram Chilton e Gentry – que a Igreja substituiu Israel. O texto das Escrituras deve ser a base sobre a qual desenvolvemos a sã teologia. Ao invés disso, os preteristas impõem suas crenças teológicas falsas sobre a Palavra infalível de Deus. Walt Kaiser é muito feliz ao fazer o seguinte comentário sobre o texto de Zacarias:Em nenhum outro capítulo da Bíblia a interpretação de “Israel” é mais importante do que em Zacarias 14. Dizer que “Israel” significa a “Igreja”, como muitos têm feito, levaria a uma grande confusão nesse capítulo e no final do capítulo 13. Por exemplo, Zacarias 13.8-9 afirma que dois terços de toda a terra (Israel) morrerão, mas poucos se arriscam a dizer que dois terços da Igreja sofrerão um massacre no dia final. É muito claro que “Israel” se refere à unidade geopolítica atualmente conhecida como o Estado de Israel.[7]

A Palavra de Deus exorta Sua Igreja a viver na expectativa de um futuro seguro e na certeza da vitória. Mantendo essa perspectiva, os crentes podem viver confiantes no presente por causa do futuro. O passado é igualmente importante. No entanto, uma falsa visão do passado roubará do crente, no presente, a esperança de que precisamos para viver corajosamente para o nosso Senhor. Maranata!

(Thomas Ice - http://www.beth-shalom.com.br)

Notas:

David Chilton, The Days of Vengeance: An Exposition of the Book of Revelation (Fort Worth: Dominion Press, 1987), pp. 385-86.

G.K. Beale, The Book of Revelation: A Commentary on the Greek Text (Grand Rapids: Eerdmans, 1999), p. 26.

Beale, Revelation, p. 45.

Randall Price, Charting the Future (San Marcos, Tex.: gráficos com publicação privada), n.p.

Gary DeMar, Last Days Madness: Obsession of the Modern Church (Atlanta, American Vision: 4th edition, 1999), pp. 437-43.

DeMar, Madness, p. 437

Walter C. Kaiser, The Communicator’s Commentary: Micah-Malachi (Dallas: Word, 1992), p. 417.

* Os preteristas ensinam que a maior parte, ou até mesmo todas as profecias já se cumpriram. Eles dizem que as principais porções proféticas das Escrituras (como o Sermão Profético e o livro de Apocalipse) se cumpriram nos eventos relacionados à destruição de Jerusalém pelos romanos em 70 d. C.

Publicado anteriormente na revista Notícias de Israel, Fevereiro de 2002.

22 de set de 2009

O Tempo dos Gentios




Como a Palavra profetizou, Jerusalém será pisada pelos povos gentios, até que os tempos deles se cumpram. Mas o tempo está se esgotando, logo a porta da graca se fechará!

O apóstolo Paulo nos exorta "Não desprezeis as profecias." (I Tessalonicenses 5 : 20). E quantos Cristaos tem desprezado - as e até mesmo lutado contra elas ensinando enganosamente que O AMOR DE DEUS PREVALECERÁ! (HEY ATRASADOS, O AMOR DE DEUS JÁ PREVALECEU e PREVALECE ATÉ OS DIAS ATUAIS; JÁ ESTÁ CONSUMADO! SÓ TEM 2000 ANOS QUE ESTÁ SENDO PROPAGADO ATRAVÉS "DAS BOAS NOVAS DO EVANGELHO DE CRISTO" ACORDEM!!!)

Como o profeta Jeremias disse:"E curam superficialmente a ferida da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz." (Jeremias 6 : 14), "E curam a ferida da filha de meu povo levianamente, dizendo: Paz, paz; quando não há paz." (Jeremias 8 : 11)

Meu amigo leia atentamente o apóstolo Paulo disse claramente: "Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão." (I Tessalonicenses 5 : 3)

O Amor de Deus é oferecido agora, O TEMPO de SALVACAO é HOJE, nao há futuro se pensarmos friamente e sermos realistas! Nao escute pregacoes de ilusoes dos maus pastores, seu dia de aceitacao da graca de DEUS é HOJE! Aceite HOJE ou pereça eternamente, caso HOJE seja seu último dia! Essa é a mais pura realidade!

Nao ACREDITE NOS HOMENS e suas filosofias de "um mundo melhor", mesmo porque somos como água e óleo jamais aceitaremos uns aos outros, nao há bem algum no ser humano, isso se vê todos os dias, ACORDEM isso é hipocrisia humana, ilusão propagada! A verdade é que eles querem chamar a atenção para si mesmos com palavras bonitas, mas no fim nao cumprem nada. A Bíblia diz que eles sao tao idiotas que mal sabem o que realmente acontece à eles: "Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados." (II Timóteo 3 : 13)

Por isso Deus deu um tempo à humanidade, para o arrependimento, para a salvacao através de seu Filho para todo àquele que Nele crer, é pela fé somente em Jesus e nada mais! Mas apressem se pois o tempo está se esgotando, mesmo porque quem garante que há muitos dias para você ainda, O HOMEM ou SEU CORACAO ou INTUICAO?

A Bíblia diz claramente e confirma dia após dia sua verdade:

Sobre a confianca em nós mesmos (na nossa intuicao, no nosso coracao): "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?" (Jeremias 17 : 9) ou "Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte." (Provérbios 16 : 25)

Sobre a confianca que colocamos no HOMEM. Quantas decepcoes você ja teve por confiar nas pessoas? Até mesmo aquelas que você jamais pensou que pudessem algum dia te trair, te fazer mal: "Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR!" (Jeremias 17 : 5)

Mas Deus oferece Salvacao à você no seu tempo chamado HOJE, nisso consiste seu GRANDE AMOR: "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14 : 6) e "Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora." (João 6 : 37)


Maranata!

20 de set de 2009

AMANHA PODE SER MUITO TARDE!

video

"Se não fizermos nossa parte agora, se quiser fazer amanhã talvez não dê mais tempo." (Andressa Barragana (*1994 / +2008)

E nao deu! Andressa faleceu após um acidente de carro quando estava à caminho para mais um dia de trabalho de Evangelizacao! Uma história emocionante de uma irma em Cristo que viveu para Deus, na dedicacao à uma vida crista nos padroes bíblicos no seu dia chamado HOJE. Leia aqui e aqui.

"Andressa assumia, de forma voluntária, compromissos que iam de atividades em asilos até aulas de artes manuais para ajudar pessoas do bairro a aumentarem a renda. Era tão dedicada ao trabalho voluntário que, no Carnaval, tomou uma decisão que quase a fez brigar com a mãe: resolveu que sacaria todo o dinheiro de sua poupança - que seria investido na festa de 15 anos, em agosto - para ajudar jovens da igreja a participar de um retiro em São José do Norte, no sul do Estado. - Ela disse: "Minha festa de 15 anos será no céu" - contou Andressa Paiva."

"Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho." (Filipenses 1 : 21)

Eis que deixo um alerta para os muitos Cristaos presuncosos que ainda precisam acordar para a verdadeira vida que está em Cristo Jesus. Para àqueles que pensam que só porque se é Cristao haverá muitos amanhas para esses ainda. A Bíblia só nos garante o dia chamado HOJE, o AMANHA ao nosso DEUS pertence! "

13 Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos; 14 Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece. 15 Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo. 16 Mas agora vos gloriais em vossas presunções; toda a glória tal como esta é maligna. 17 Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado." (Tiago 4:13)

Frau Luther, Maranata!

*Nao estou interessada em fazer propaganda de denominacao evangélica. A minha intencao na utilizacao do vídeo, no valioso testemunho da irma é apenas para exortacao de outros irmaos em Cristo, nao importando a denominacao, à dedicacao apenas da propagacao "das boas novas do Evangelho de Cristo" para salvacao de todo àquele que Nele crer no dia chamado HOJE!

19 de set de 2009

OS TIPOS DE ATEUS!

A revista ÉPOCA de 12 de março de 2009, na página 72 traz um artigo interessante com o título A FÉ QUE FAZ BEM À SAÚDE : Novos estudos mostram que o cérebro é ‘programado’ para acreditar em Deus, e que isso nos ajuda a viver mais e melhor.

Alguns trechos tirados desse artigo dizem que “A capacidade inata de procurar a explicação de um fenômeno é uma das diferenças entre o ser humano e outros animais...”. Com sua "intuição genial", Charles Darwin, criador da teoria da evolução há 150 anos, já havia registrado idéia semelhante no livro A descendência do homem, em 1871: ‘Uma crença em agentes espirituais onipresentes parece ser universal’. Somos predispostos biologicamente a ter crenças, entre elas a religiosa”, diz Jordam Grafman, chefe do departamento de neurociência cognitiva do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame.”

Se como diz o artigo em tela que novos estudos mostram que o nosso cérebro é programado para acreditar em Deus e que isso nos ajuda a viver melhor, entao por que há tantas pessoas que negam a existência de Deus? E o cérebro se é programado, é programado por quem?

A existência de Deus é negada por causa do orgulho humano. “Pela altivez do seu rosto o ímpio não busca a Deus; todas as suas cogitações são que não há Deus. Os seus caminhos atormentam sempre; os teus juízos estão longe da vista dele, em grande altura, e despreza aos seus inimigos. Diz em seu coração: Não serei abalado, porque nunca me verei na adversidade. A sua boca está cheia de imprecações, de enganos e de astúcia; debaixo da sua língua há malícia e maldade.” (Sl 6.4-7). É a mesma razão – o seu orgulho – que levou o apóstolo Paulo a referir-se ao ateu como pessoa que propositadamente nega a existência de Deus mesmo diante de evidências incontestáveis: “Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;” (Rm 1.18-20).

Afirmamos que a primeira demonstração da existência de Deus é a universalidade desta crença entre as nações da terra. Desde épocas remotas têm-se encontrado provas da existência de Deus. Não há século tão antigo nem país tão longínquo nem povo tão bárbaro que não apresentem testemunhos de sua crença na existência de Deus.

Quantos tipos de ateus existem em nossos dias?

Entendo que existem três tipos de ateus:

O primeiro ateu é o intelectual, que busca razões para a negar a existência e que é então chamado de ateu militante. São aqueles sobre os quais o apóstolo faz referência como o homem natural. “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” (1 Co 2.14). Tais pessoas tiveram suas mentes entenebrecidas pelo Diabo. É o que diz mais o mesmo escritor: “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”.(2 Co 4.4).

O segundo tipo de ateu é o ateu prático. Com a boca confessa que crê em Deus, mas vive como se Deus não existisse. O apóstolo Tiago aponta isso dizendo, “Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos; Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece. Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo”.(4.13-15). Quem é que hoje faz seus caminhos, sempre dependendo da vontade de Deus?


E o terceiro tipo de ateu é aquele que nega a existência de Deus porque teme encontrá-lo no dia do Juízo Final porque aprecia o pecado em que vive. “E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus”.(Jo 3.19-21). Assim, eliminando da sua mente esse pensamento de que Deus existe, sente-se mais livre para agir como se não devesse prestar contas a ninguém dos seus atos. Enquanto isso, diz a Bíblia: De Deus não se zomba porque que tudo o que o homem semear isso também colherá (Gl 6.7,8).

E nós dizemos com muita convicção pois sabemos em quem temos crido: “OS céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz. A sua linha se estende por toda a terra, e as suas palavras até ao fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol, O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho. A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor”.(Sl 19.1.6).

Mas o que é fé afinal?

A Bíblia define o que é fé dizendo: “a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” (Hb 11.1) E pela fé diz a Bíblia mais: “Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.” (Hb 11.3) E então declara a Bíblia que fé faz bem à saúde porque com ela nos achegamos a Deus para sermos felizes:

“Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.” (Hb 11.6)


Fé entao é o caminho pra se achegar à Deus, mas o caminho certo mesmo só pode ser encontrado através de Jesus, ou seja fé em Jesus Cristo, O filho de Deus.

"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; NINGUÉM vem ao Pai, senão por mim." (João 14 : 6)


MARANATA!

17 de set de 2009

SÊ TU UMA BENCAO!

Uma das grandes conquistas modernas foi a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Depois das atrocidades da Segunda Guerra Mundial, a ONU nomeou uma comissão para elaborar um documento que assegurasse os direitos da humanidade.

No fim de 1948, foi promulgada a primeira Carta contendo os direitos da pessoa humana. A partir dela, muitas outras foram formuladas, garantindo a dignidade humana diante dos abusos e violências que muitos ainda sofrem.

Esse movimento mundial criou uma nova consciência na humanidade, principalmente no mundo ocidental. Tornamo-nos cidadãos mais exigentes, consumidores com mais consciência, trabalhadores melhor informados. São direitos reais, necessários à vida e inerentes ao ser humano.

São inúmeras as entidades e organizações que hoje lutam pelos direitos humanos, colocando-se a favor dos explorados e marginalizados. São também inúmeras as leis que, desde a Declaração dos Direitos Humanos, foram criadas para garantir a dignidade e o respeito.

Por outro lado, a consciência do direito criou um novo perfil no ser humano. Na medida em que nos tornamos cidadãos mais exigentes e conscientes dos nossos direitos, fomos perdendo a noção da dívida. A luta pelo direito hoje não se restringe apenas ao campo político, social e econômico, foi incorporada a nossa cultura e a todas as esferas da convivência social.

Isto tem nos levado a não reconhecer mais nenhuma obrigação para com Deus, pais, mestres, governo e sociedade. A tônica tem sido a seguinte: todos nos devem, e temos o direito de receber. Esse sentimento tira-nos a consciência de que somos protagonistas da História e, lentamente, cria em nós uma atitude passiva de espectadores ingratos.

Vamos vivendo como se o mundo, os amigos, a família, a igreja, a sociedade e o governo nos devessem algo. Nossa responsabilidade diminui na mesma proporção que cresce nossa expectativa em relação ao que esperamos dos outros.

Quando Deus chamou Abraão para deixar sua terra, seus parentes e amigos e seguir para um lugar que ele ainda não sabia ao certo onde seria, para ali criar uma nova nação e estabelecer um povo para Deus, deu-lhe uma recomendação nestes termos: "Sê tu uma bênção". Tal imperativo definiu um perfil diferente na vida de Abraão.

Ser bênção, e não simplesmente viver à procura dela, faz uma grande diferença. Muitos hoje perguntam por que a Igreja Evangélica no Brasil, que tanto cresceu nas últimas décadas, não tem promovido as mudanças que imaginávamos iria promover quando tivesse as oportunidades que tem hoje. Arriscaria uma resposta simples: tornamo-nos consumidores religiosos com todos os direitos que um consumidor tem.

Ao invés de ser bênção, queremos receber bênçãos; usamos a igreja, a família e a sociedade para alimentar nossas ambições mais mesquinhas. Não somos mais agentes de transformação; viramos espectadores ingratos e exigentes. Ao invés de promover a prosperidade social, transformamo-nos em parasitas sociais, querendo cada vez mais e melhor para nós e não para os outros.

A conversão e a transformação do ser passivo num ser ativo; do paciente num agente; do parasita social num ser solidário; do consumidor religioso num canal de bênção e cura para os outros. A solução para as mazelas sociais que vivemos em nosso país não será conquistada por uma Igreja que exige o melhor para si; que reivindica o direito de ser cabeça e não cauda; que busca a sua prosperidade em detrimento da miséria dos outros.

A cura para os dramas e injustiças que afligem o povo brasileiro está numa Igreja que se disponha a sair e ser uma bênção para o país, que se curve e aceite a humilde tarefa de lavar os pés uns dos outros. Uma Igreja que trabalhe para o bem da sociedade, que lute pelos direitos do próximo, cujos membros procurem ser os melhores pais, os melhores filhos, os melhores maridos, os melhores patrões e os melhores empregados.

Quando o Senhor escolheu Abraão e o enviou para ser uma bênção, ele sabia que, ao ser bênção para os outros, encontraria a que buscava. Abraão foi um homem abençoado porque viveu para os outros, a não para si mesmo. A felicidade que busco está na minha capacidade de fazer com que as pessoas que convivem comigo experimentem a felicidade. O chamado cristão é sempre social e para servir aos outros.

A vida de muitos homens e mulheres de Deus ao longo da História foi ricamente abençoada porque viveram dominados pelo sentimento de dívida. Isso fez deles pessoas gratas, generosas, entregues, corajosas. Não esperavam que os outros viessem consolá-los; eles consolavam. Não viviam exigindo ou reivindicando direitos, mas carregavam um enorme senso de dívida; não viviam aguardando que alguém fosse procurá-los - eles é que procuravam. Eram bênção na vida dos outros e, consequentemente, eram abençoados.

Ser bênção para a vida dos outros é criar os meios para que a graça de Deus os envolva trazendo salvação, reconciliação, cura e libertação. É criar os meios para que o cansado encontre alívio, para que o doente ache consolo, para que o perdido seja achado. E usar os dons e talentos que Deus nos deu para criar novas esperanças e para alimentar a fé dos outros.


*Ricardo Barbosa de Sousa (Pastor) - Revista Eclésia (nº 85 - Jul/03).

16 de set de 2009

Cristão Carnal vs. Cristão Espiritual

“Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus...” (Hebreus 5.12)


Cristão Carnal vs. Cristão Espiritual


A Bíblia fala de dois tipos de cristão: o espiritual e o carnal. O cristão carnal é o cristão imaturo, que demonstra pouco ou nenhum interesse pelas coisas espirituais. Este tipo de cristão é controlado por suas próprias vontades naturais, pela sua natureza humana decaída. Por outro lado, o cristão espiritual é o cristão maduro. É aquele que segue as orientações do Espírito Santo que nele habita. Esse cristão passou pelo processo do “novo nascimento” descrito por Jesus (João 3.5), o qual é fundamental para entrada do homem no Reino de Deus. O cristão espiritual possui uma mente transformada (regenerada) pelo Espírito de Deus (Romanos 12.2; Tito 3.5).


Identificando os tipos de Cristãos


O apóstolo Paulo identificou os cristãos imaturos da igreja de Corinto, quando escreveu: “E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo” (1 Coríntios 3.1). Logo em seguida ele citou algumas características dos cristãos carnais: inveja, brigas e divisões (vers. 3). Umas das características de uma criança imatura é que ela gosta de brigas e protestos, tipo: “eu sou melhor que você!” ou “meu pai é melhor que o seu!”. Muitos cristãos imaturos agem da mesma forma. É possível observar nas igrejas de hoje uma “disputa” entre os crentes para ver quem é o melhor, o mais sábio e influente pregador ou pastor. Isto é um sinal claro de imaturidade espiritual.


Certa ocasião, o apóstolo Paulo teve que repreender alguns cristãos imaturos na igreja de Corinto por procederem desta forma. Uns diziam: “eu sou de Paulo!”, outros “eu sou de Apolo!”, e ainda outros “eu sou de Cefas!” (1 Coríntios 1.12). Atitudes assim apenas causavam divisão na Igreja. Ora, é justo dizer que Paulo, Apolo e Cefas (ou Pedro) eram grandes pregadores do evangelho, grandes homens de Deus, mas, apesar disso, eram apenas homens. Alguns cristãos não tinham maturidade suficiente para entender que Deus é quem trabalha em todos, e que nenhum homem merece o louvor que pertence somente ao Senhor. Por isso Paulo os classificou como “meninos” na fé.


O cristão espiritual reconhece que o mérito por seus feitos pertence exclusivamente ao Senhor. O apóstolo Paulo reconheceu a sua limitação humana e de seus companheiros, dizendo: “Pois quem é Paulo e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?” (1 Coríntos 3.5). Paulo reconheceu que ele e Apolo eram ministros do Evangelho e servos de Deus, e que cada um tinha igual importância para o crescimento da igreja. Reconheceu que apesar de terem dons diferentes, ambos deveriam trabalhar em conjunto. Paulo sabia que os dons que ele possuía provinham de Deus, e não dele mesmo, por isso não havia lugar para orgulho (1 Coríntios 4.7).


O cristão maduro sabe que nenhum dom espiritual é melhor que o outro, pois todos são operados pelo mesmo Espírito, o Espírito Santo (1 Coríntios 12.4). O que muda de um servo de Deus para outro são os ministérios, ou seja, a sua função na Igreja de Cristo: “E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo” (1 Coríntios 12.5). A Bíblia diz que a Igreja é o Corpo de Cristo (Efésios 1.23). Todo corpo é formado por um conjunto de membros interdependentes. Assim como no corpo humano, nenhum membro pode sobreviver sem a ajuda do outro. Semelhantemente, na Igreja todos devem trabalhar em conjunto para que todo o Corpo possa crescer saudável. Ora, se dois pés derem um passo ao mesmo tempo, logicamente que todo o corpo irá desabar. Assim também funciona a Igreja saudável, todos dependem um do outro. Se todos não trabalharem em sincronia, todos serão prejudicados juntos.


Os motivos que levam a imaturidade espiritual

O motivo principal de muitos cristãos serem imaturos na fé deve-se a má nutrição espiritual, isto é, alimentação inadequada ou insuficiente. Estes cristãos dedicam muito pouco tempo diário à leitura e meditação nas Escrituras. Ingerem poucas “calorias espirituais” por dia, por isso tornam-se espiritualmente desnutridos. Devido à sua alimentação defasada, com falta de nutrientes espirituais fundamentais em sua dieta, não se desenvolvem espiritualmente. Infelizmente, existem muitos cristãos que estão seguindo Jesus há anos, entretanto, a constante “preguiça espiritual” os impedem de orar e examinar as Escrituras diariamente. Essa falta de disposição faz com que permaneçam eternamente como bebês espirituais, não alcançando a maturidade espiritual compatível com o seu tempo de fé.


O escritor de Hebreus sabia que muitos cristãos já tinham tempo de fé suficiente para terem se tornado mestres, ensinando as Escrituras a outros (Hebreus 5.12). Mas, apesar de estarem na igreja há bastante tempo, jamais saíam do “leite espiritual: “Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino” (Hebreus 5.13). Este tipo de cristão é carnal e não possui um entendimento aprofundado da Palavra. Devido a sua desnutrição espiritual, o cristão carnal depende de seu próprio raciocínio humano para tomar suas decisões diárias. O cristão carnal não consegue fazer diferenciação entre o santo e o profano, ou seja, não consegue diferenciar as coisas que agradam a Deus das que O desagradam. Já o homem espiritual, discerne bem tudo (1 Coríntios 2.15).


Devido aos cristãos preguiçosos serem muitos, o escritor da epístola aos Hebreus fez um sério alerta quando escreveu: “... e vos haveis feito tais que necessitais de leite e não de sólido mantimento (Hebreus 5.12)”. Aí está revelado o motivo de muitos cristãos estacionarem na fé, não podendo ingerir um alimento espiritual mais sólido por causa de sua negligência espiritual. Estes cristãos não crescem espiritualmente devido a falta de compromisso com Deus, pois ainda não renunciaram ao tempo para dedicarem-se as coisas do alto (Colossenses 3.2).


O cristão carnal ou imaturo ama as coisas do mundo achando que “não há nada de mal” em dedicar-se aos entretenimentos e diversões mundanas. Não entende porque estas coisas ofendem a Deus, por isso correm o risco de se destruírem espiritualmente. Devido a sua imaturidade e falta de conhecimento das Escrituras, não sabem que os cristãos são apenas peregrinos nesta terra (Hebreus 11.13) e que os verdadeiros filhos de Deus devem “morrer” e “renunciar” ao mundo (Gálatas 6.14; 1 João 2.15).


Os cristãos espirituais vivem pelo Espírito de Deus, por isso possuem grande discernimento espiritual. Sabem diferenciar o evangelho genuíno de falsas doutrinas humanas (Efésios 4.14). Estes não são insensatos, pois entendem verdadeiramente qual a vontade de Deus. O apóstolo Paulo advertiu: “Pelo que não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor” (Efésios 5.17). Os cristãos espirituais oram constantemente e mantêm um relacionamento íntimo com Deus, por isso não são enganados pelo espírito do mundo, o espírito que opera nos “filhos da desobediência” (Efésios 2.2).


Infelizmente, os que não levam a vida cristã a sério, correm o risco de serem deixados para trás quando Jesus voltar para buscar a Sua “igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” (Efésios 5.27). Apenas irão subir com o Senhor os que realmente renunciaram a si mesmos, morreram para o mundo e tomaram sua cruz, assim como Jesus determinou (Marcos 8.34).



“... porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mateus 7.14).


Igor Chastinet.

13 de set de 2009

A doutrina bíblica da Separação!

Agora com vocês, o pastor Ron Riffe:

Justamente quando penso que já vimos o máximo do cinismo no que se refere aos "lobos em pele de ovelha", eis que surge uma nova variedade de mutantes! Parece que seus esquemas para enganar as ovelhas ingênuas são quase tão numerosos quanto as situações mostradas no desenho animado do Coelho Pernalonga! No entanto, os métodos que empregam certamente não são nada engraçados e causam danos terríveis às vidas espirituais de muitas vítimas inocentes. Eu gostaria que não fosse assim, mas nossa natureza caída parece ter a tendência de gravitar em torno dos líderes fortes e autoritários. Se não formos muito cuidadosos e não escutarmos e cooperarmos com os apelos do Espírito Santo que reside em nós, podemos ser enganados e passar a ser mais um ponto no placar do Diabo.

Sabe de uma coisa? Já ouvi "Não julgueis, para que não sejais julgados", ser mal-empregado e usado fora do contexto tantas vezes que me sinto enojado! Também ouço muitos pastores usarem "Não toqueis os meus ungidos" [1 Crônicas 16:22 e Salmos 105:15] com referência a si mesmos — quando ficam sob ataque daqueles que discordam de suas idéias — e estou farto desse mal-uso da Palavra de Deus. Venha cá e permita que este velho pregador diga algumas verdades simples, porém profundas.

Deus não espera que Seus filhos sejam idiotas sem nenhum discernimento espiritual. A recomendação sobre não julgar está claramente no contexto do julgamento injusto — acusar e julgar com falsidade e trazer em questão os motivos do coração. Essa prática é errada e a Palavra de Deus a condena repetidamente. No entanto, o que muitos deixam de compreender é que a mesma Palavra nos exorta a exercitar o discernimento espiritual positivo — em outras palavras, o bom julgamento espiritual. Não devemos ser ingênuos e engolir as mentiras e os falsos ensinos dos outros, não importa o quão respeitáveis eles possam parecer. Para podermos estar sobre nossos próprios pés, espiritualmente falando, precisamos conhecer a Palavra de Deus e o Deus da Palavra! Simplesmente porque alguém é um "ministro do evangelho", não significa que seja uma pessoa especial e que você deva aceitar de boa mente tudo o que ele diz! Deus considera você responsável pelo conhecimento da Palavra e engolir tudo que o pastor diz só porque você aprendeu a confiar nele, é convidar o desastre. Os membros da minha igreja podem confirmar que peço que questionem tudo o que ensino, simplesmente porque posso estar errado em algum ponto.

Somos instruídos a sermos como os "nobres bereanos" [Atos 17:10-11], que pesquisaram as Escrituras para ver se o apóstolo Paulo estava realmente dizendo a verdade e se estava interpretando corretamente as Escrituras. Paulo elogiou o ceticismo saudável deles! Em nenhum lugar a Bíblia diz que os bereanos pensaram que Paulo estivesse mentindo; apenas quiseram examinar seus ensinos à luz das Escrituras. Em outras palavras, eles avaliaram o ensino de Paulo de acordo com a infalível Palavra de Deus, exatamente o que devemos fazer neste fim dos tempos. Muitos cristãos hoje não têm um ceticismo saudável para o que ouvem de um pregador estimado; muitos também deixam de perceber que um ministério cristão pode estar ensinando perfeitamente a Palavra por um longo tempo, mas de repente apostatar. Além disso, muitos cristãos não percebem que os falsos mestres podem perfeitamente pregar a Palavra por um bom tempo e, então, quando arregimentam um grupo de seguidores devotados, começam a desviá-los para o erro. Na Inteligência Militar, chamamos esse tipo de indivíduo de "toupeira"; eles parecem bons por tanto tempo, que ninguém suspeita que possam estar realmente trabalhando para o inimigo. No entanto, em algum momento crítico, eles passarão a trabalhar para o inimigo, e serão muito eficientes, pois os colegas e os chefes confiam neles totalmente.

Temos a mesma situação aqui com muitos ministérios cristãos atuais, como mostra o fiasco da recomendação favorável aos livros da série Harry Potter.

Já é bastante ruim que hordas de supostos ministros estejam pregando alguma coisa que não o leite puro da Palavra, mas agora a moda mais recente parece ser autores bem conhecidos, ex-políticos, etc., apresentando sua própria variedade de Psicologia 'pop'. Essa onda do "sinta-se bem consigo mesmo", revestida por uma fina camada de respeitabilidade cristã, está varrendo o país e qualquer um que ouse se levantar e oferecer oposição é rapidamente acusado de "estar julgando". Bem, podem me acusar, mas estou apenas tentando alertá-lo para o fato que lobos apóstatas estão infiltrados entre as ovelhas e você pode ser a próxima refeição deles.

Falando sobre "sinta-se bem consigo mesmo" — acredito que você compreende que toda essa inclinação à Psicologia não tem base alguma nas Escrituras. Uma das características de nossa natureza depravada e caída é que nos sentimos bem quanto a nós mesmos do jeito que estamos! Todos somos egoístas — literalmente amamos a nós mesmos e sempre queremos ser o número um. No entanto, a Palavra de Deus diz que devemos mortificar a carne, crucificar o velho homem para servir a Cristo. Assim, quando alguém se levanta e ensina que devemos fazer isto ou aquilo para "nos sentirmos bem conosco mesmos," está em violação clara aos princípios das Escrituras. Na verdade, Deus trará "tristeza divina" à vida de uma pessoa para fazê-la sentir-se mal o bastante sobre si mesma e então se arrepender ["Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte." — 2 Coríntios 7:10].

Para seguirmos o exemplo de Cristo, deveríamos gastar toda nossa vida procurando a verdadeira humildade e colocando o bem-estar dos outros acima do nosso. O segredo da vida é o serviço e não a satisfação pessoal. No entanto, os gurus ávidos por números conhecem bem a natureza humana e apertam os botões certos para assegurar um grande número de seguidores e todos os ganhos decorrentes. Eles sabem que a vida está terrivelmente difícil para algumas pessoas, de modo que constroem "ministérios" voltados para o atendimento às carências psicológicas desses indivíduos emocionalmente problemáticos. Eles ajudam algumas pessoas? Provavelmente sim, mas a que custo dos princípios das Escrituras?

Alguém me disse que na composição dos raticidas, aproximadamente 98% são nutrientes inofensivos elaborados à base de milho, mas o que realmente mata os ratos são os 2% de estricnina, um poderoso alcalóide que ataca o sistema nervoso! Infelizmente, muitos estão "sossegados em Sião" porque seus pastores (ou mestres/televangelistas favoritos) lhes dão 98% de ensino bíblico puro, mas eles não questionam os outros 2% de desvios doutrinários. Somente um pouco de veneno extrabíblico pode acabar com a eficácia espiritual de um grupo grande de pessoas.

Um conceito paralelo envolve o carisma pessoal e reputação desses pastores dos "2%". Fico admirado ao observar a quase veneração que esses homens (e um número crescente de mulheres) recebem de seus seguidores. Por que é quase considerado uma blasfêmia alguém como eu apontar nas Escrituras os erros e falhas doutrinárias de seus ministérios? As acusações de "não julgueis…" voam rápidas e firmes, mas esses seguidores leais deixam de reconhecer que a Palavra de Deus é a autoridade final e não as grandes reputações dos homens nesses ministérios proeminentes. Acredito que nunca passe pela cabeça dessas pessoas que seu ícone amado seja um apóstata a caminho do Inferno e que esteja intencionalmente levando-as ao erro.

Nunca chama a atenção desses seguidores que um homem verdadeiramente do Senhor será odiado pelo mundo? Amados, prestem atenção, pois aqui está um ponto muito importante! O apóstolo Paulo nos diz em 2 Timóteo 3:12:

"E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições."

Você vê qualquer um desses pastores da safra atual dos "2%" ser perseguido por causa de sua posição em Jesus Cristo? Dificilmente! As pesquisas de opinião indicam que eles estão entre os indivíduos mais respeitados do planeta! De uma forma que faz lembrar as jovens mães que, durante os anos 60 e 70, levavam em conta todas as falsidades proferidas pelo Dr. Benjamin Spock sobre como criar os filhos, o público toma o que esses homens dizem e escrevem como sendo evangelho. O velho e solteirão doutor Spock não teve seus próprios filhos, mas suspeito que muitos desses pastores dos "2%" sabem exatamente o que estão fazendo.

Se alguém lhe desse uma garrafa de estricnina para beber — você lhe diria para ir plantar batatas. É óbvio demais. No entanto, se alguém colocar o veneno em uma comida deliciosa e não lhe contar nada, o desejo de saborear aquela comida provavelmente o seduziria a comer. O termo para descrever esse processo é "insidioso." O Novo Dicionário Aurélio define "insidioso" como: "Que é dado a preparar insídias, ciladas; traiçoeiro, pérfido; aquele que procura corromper." Tenha essa definição em mente enquanto tento explicar o que vem acontecendo lentamente na comunidade cristã nos últimos cinqüenta anos.

Deus Ensina e Exige a Separação
Há uma doutrina vital na Palavra de Deus que, em minha opinião, é a menos compreendida e a menos ensinada de todas — a doutrina de separação. Ela é proclamada do Gênesis ao Apocalipse de uma forma ou de outra. Sucintamente, é mandamento de Deus para seu povo distanciar-se espiritualmente dos ímpios — e sempre que for possível, fisicamente! Por que você acha que Deus deu tal mandamento? Bem, o caminho mais fácil que conheço para explicar isso, é usar uma ilustração que já usei antes em outro artigo — um mineiro que trabalha em uma mina de carvão vestindo uma camisa branca! Às vezes o ridículo pode nos ajudar a compreender melhor uma premissa básica e essa camisa branca pretende fazer exatamente isso. Você acha que o mineiro poderá conservar sua camisa branca limpa? De modo nenhum! Para conservá-la limpa, ele precisará ficar fora da mina de carvão! Pessoal, não podemos mexer com uma pilha de carvão espiritual e manter nosso testemunho cristão limpo. Da mesma forma como Deus no Velho Testamento advertiu repetidamente os filhos de Israel a ficarem afastados das nações ímpias vizinhas, Ele deseja que Seus eleitos façam o mesmo hoje. No entanto, essa premissa causa um frio na espinha dos teólogos e dos pastores liberais. "Ah, mas você não pode se distanciar dos incrédulos que quer ganhar para Cristo!" Sabe qual é a minha resposta para essa afirmação ridícula? DEUS DISSE PARA NOS SEPARARMOS!!! Ao contrário do que o antigo adesivo para carros dizia, "Deus disse, eu creio e isto basta", afirmo em alto e bom som: "Deus disse e isto basta"! — Independente se alguém crê ou não! Veja o que Paulo escreveu em 2 Coríntios 6:17-18:

"Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso."

Isso soa como um equívoco para você? Se a língua portuguesa ainda significa o que entendemos, esse verso nos diz para ficarmos longe dos ímpios. Não significa isolamento no sentido monástico, onde não há qualquer contato, mas uma separação em que possamos manter nossas "camisas brancas" limpas. Não deve haver nenhum relacionamento íntimo com pessoas que não são salvas. Nenhum casamento intencional com incrédulos, ou sociedades nos negócios, ou mil e uma outras formas em que poderíamos vir a comprometer e contemporizar nosso relacionamento espiritual com Jesus Cristo. Isto é "manter certa distância" no dia a dia, em que devemos lutar para ficar longe da contaminação que há no mundo e, ao mesmo tempo, não aparentar uma atitude de "sou mais santo que você". É difícil de conseguir, mas muito necessário porque o mundo vai querer grudar em você.

Aproveitando que estou no assunto, podemos também mandar alguns pastores para a órbita. Eles têm em suas cabeças que os cristãos nunca devem se separar dos outros cristãos — por causa de alguma noção errada que a unidade deve ser preservada a todo custo. Unidade entre os irmãos é altamente desejável, mas não deve nunca ser buscada em detrimento da doutrina. Outra vez Paulo fala sobre o assunto da separação, e desta vez envolve outros cristãos (observe a ênfase com que a exortação é feita):

"Mandamo-vos, porém, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o irmão que anda desordenadamente, e não segundo a tradição que de nós recebeu." [2 Tessalonicenses 3:6].

Outra vez, pergunto, há um equívoco aqui? Quando um irmão ou irmã em Cristo está "andando desordenadamente" (um termo militar que significa marchar de forma desalinhada com o resto da tropa — em outras palavras, "fazendo da sua própria maneira"), devemos nos separar dele por duas boas razões. A primeira é evitar que a atitude dele de participação no pecado nos contamine e, segunda, é que nossa atitude de separação o faça se envergonhar de si mesmo e voltar a ter um relacionamento correto com o Senhor. O apóstolo Paulo demonstra esse princípio em 2 Tessalonicenses 3:14-15:

"Mas se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, notai o tal, e não vos mistureis com ele, para que se envergonhe. Todavia, não o tenhais como inimigo, mas admoestai-o como irmão."

Essa doutrina é tão clara que até mesmo um cego pode ver, mas os pastores deixam de obedecê-la e de ensiná-la — por causa da visão distorcida de unidade.

Agora que mostramos os fundamentos bíblicos da doutrina da separação (e muito mais poderia acrescentado), permita-me explicar como os "2%" estão violando a Palavra de Deus e as não tão óbvias razões por que fazem isso.

O Início da Enganação Espiritual Quanto à Separação
Em 1957, um homem chamado Harold Ockenga (da Universidade de Princeton?) fez uma apresentação em que declarou, muito candidamente, que aqueles que compartilhavam de seu ponto de vista tinham chegado à conclusão que a doutrina bíblica de separação estava ultrapassada. Na opinião deles, ela não era mais válida e realmente prejudicava a propagação da mensagem do evangelho! Apresso-me a dizer que embora esse homem tenha sido transparente e honesto em sua afirmação, isso não é nada mais do que pura heresia porque ele/eles ousaram questionar e redefinir o método de Deus para a evangelização. (Antes de continuarmos, reiteramos que o próprio Harold Ockenga admitiu abertamente que seu novo método de evangelização proposto diferia dos preceitos bíblicos!).

Eles então passaram a delinear sua abordagem alternativa para o evangelismo como sendo o que classificaram de "infiltração". Em vez de continuar com a abordagem bíblica da separação do mundo, o "novo" método envolvia a infiltração da igreja na sociedade — parecendo-se e agindo como qualquer outro segmento social — com a intenção básica de que o evangelho seja apresentado de uma forma não-confrontadora. Em outras palavras, "camuflar-se para então apresentar o evangelho!" Espantosamente, nos anos posteriores até o presente, um grande número de teólogos, seminaristas, evangelistas, pastores e professores de institutos bíblicos chegou à mesma conclusão e aderiu a essa posição. O movimento foi rotulado de "neo-evangelicalismo" e adivinhe quem eles selecionaram como seu principal "representante"? O nome dele escrito de trás para frente é maharG ylliB (essa inversão é apropriada, porque eles inverteram totalmente o conceito bíblico).

Assim, antes que você seja tentado a saltar em defesa deles, lembre-se que o grupo inteiro se desviou intencionalmente da doutrina bíblica da separação (eles próprios admitem isso!) e não podemos apoiar tal atitude. Além disso, lembre-se que, quando uma pessoa inicia um ministério baseado em preceitos que não são bíblicos, os únicos resultados possíveis são confusão, caos, engano e desastre.

A visão evangelística deles é a razão principal por que Billy Graham e seus companheiros podem solicitar a cooperação da Igreja Católica Romana em suas cruzadas. O movimento ecumênico gosta dos neo-evangélicos, porque eles se dão muito bem juntos; e quando uma doutrina é flagrantemente violada, por que não violar um pouco mais?

Entretanto, meu objetivo principal ao mencionar esses fatos é voltar novamente à palavra "insidioso". A mentalidade dos neo-evangélicos é tal que farão ou dirão qualquer coisa que os faça "ganhar almas para Cristo". Como freqüentemente digo à minha congregação, a intenção deles é parecer, agir e cheirar como o mundo para então infiltrar-se e evangelizar o mundo. A tática inclui o uso de cantores famosos, apresentadores e atores da televisão para atrair as multidões.

O total desprezo deles à separação exigida na Palavra de Deus levou inevitavelmente ao que chamo de "raciocínio fétido'." É algo como: (Somente como exemplo) "Ah, não devemos criticar tão severamente os livros do Harry Potter, porque podemos fazer alguém recusar o evangelho!" Ou, "Devemos ler os livros do Harry Potter para podermos compreender a mentalidade dos incrédulos que estão lendo!" Ou, "Devemos ler os livros do Harry Potter para que nossa mensagem do Evangelho tenha relevância aos perdidos".

Afinal de contas, dizem eles, "é somente outra história de moralidade 'o bem contra o mal'". Acredite ou não, mas essa é basicamente a posição que o Dr. James Dobson, Chuck Colson, e algumas outras revistas "cristãs" tomaram com relação à série de livros sobre o menino-bruxo — o mais novo instrumento que Satanás está usando para enganar os incautos e condicionar as crianças. (Se você ainda não leu os artigos de David Bay sobre a série de livros Harry Potter, precisa fazer isso!).

Essa mentalidade ridícula e totalmente contrária à Bíblia é verdadeiramente insidiosa, porque alastra-se como o fogo. Ela agrada à carne e ao raciocínio carnal. Parece fazer sentido à mente carnal, porque você seguramente não deseja se afastar de uma pessoa antes de ter a oportunidade de lhe apresentar o evangelho. Amém? Mas, ao contrário do que o homem pensa, a Bíblia diz aos pregadores para "redargüir, repreender, e exortar com toda a longanimidade e doutrina" [2 Timóteo 4:2]. Precisamos "contar como realmente é" e, se escolher assim, Deus honrará a verdade da Sua Palavra com o convencimento do Espírito Santo e a salvação de almas. Todas as melhores intenções de nossa parte nunca trarão qualquer pessoa ao Senhor que não tenha já sido eleita por Deus "em Cristo antes da fundação do mundo" [Efésios 1:4]. O próprio Jesus disse, referindo-se ao Seu sacrifício na cruz: "E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim." [João 12:32] Em outras palavras, devemos levar o Evangelho verdadeiro aos perdidos, e eles serão atraídos à verdade do Evangelho.

Em algum ponto do caminho, os homens desenvolveram a falsa noção que podem — por meio de seus próprios esforços e artifícios — ganhar almas para Cristo, mas isso simplesmente não é bíblico. As técnicas de evangelização em massa, de "linha de montagem", empregadas por Billy Graham e seus admiradores, ficam como testemunho mudo aos métodos sem base bíblica de Charles Finney — o predecessor deles do século 19. Esse homem, por seu próprio testemunho, adotou o que veio a ser chamado de "novas medidas para uma nova teologia" e dizia que qualquer um que usasse suas técnicas poderia "obter um reavivamento quando desejasse". Usando essas técnicas, ele praticamente mudou a face do evangelismo em um período de alguns poucos anos. Quais eram essas técnicas? Basicamente, eram a aplicação da pressão psicológica sobre aquelas pessoas cujas emoções tinham sido tocadas por seus sermões, exortando-as a "se levantarem dos bancos e virem à frente, recebendo a salvação!" Os apelos para virem até à frente do púlpito ou ao "banco dos convertidos" também ficaram famosos durante suas pregações evangelísticas. Os "resultados" e os números da pressão produzida despertaram a atenção da maioria dos pastores e, rapidamente, os métodos de Finney se tornaram os "únicos modos de se trabalhar"! Entretanto, antes de morrer, o velho evangelista relutantemente admitiu que seus métodos tinham produzido um número considerável de pessoas que não perseveraram e voltaram atrás, em busca de seus velhos caminhos. No entanto, esses mesmos métodos estão sendo utilizados ainda hoje para encher as igrejas com falsos convertidos — "joio no meio do trigo" — e apenas a eternidade revelará exatamente quantos milhões de pessoas em todo o mundo pensam que estão salvas somente porque foram à frente em uma cruzada do Billy Graham. (Ou fizeram basicamente a mesma coisa em uma igreja em algum lugar.).

Compreendo que essas técnicas são uma "vaca sagrada" para a maioria dos que se consideram cristãos evangélicos, mas meu trabalho é dizer a verdade, e permitir que o Espírito Santo o convença da verdade.

As sementes do neo-evangelicalismo estão se espalhando longa e vastamente, infectando milhares de pastores em todo o mundo. Seu pastor tem um caso com o neo-evangelicalismo? Os sintomas são às vezes difíceis de detectar, pois freqüentemente são apenas uma atitude. Entretanto, devemos compreender que a Bíblia nos diz claramente que "nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos" e "lobos cruéis não pouparão o rebanho". Se seu pastor raramente prega contra o pecado e nunca combate o mundanismo, pode ser que esteja tentando "ganhá-los de dentro". Acautele-se! Após se acautelar, pense em procurar outra igreja!

Resumo
Ao encerrar, devo chamar sua atenção para 2 Timóteo 4:3-4. Nos dois versos anteriores, Paulo incumbe Timóteo de "pregar a Palavra", etc., como um ministro do evangelho. Em seguida, nos versos 3 e 4, ele diz:

"Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências. E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas."

O pensamento neo-evangélico desta geração desviou-se totalmente do ensino da Palavra de Deus e está utilizando métodos humanos para produzir resultados. Às vezes, esses resultados são espetaculares — aos olhos dos homens — mas imagine apenas o horror e o choque que inúmeras dessas almas terão quando estas palavras forem proferidas pelo Senhor Jesus Cristo: "E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci, apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade!" [Mateus 7:23]. Ah, elas foram trazidas a um conhecimento mental de Cristo por meio dos esforços dos homens, fizeram profissões de fé, e muitas até mesmo viveram vidas relativamente recomendáveis, mas nunca realmente creram para obter a salvação de suas almas!

Você já observou a tendência que nós, cristãos, temos de procurar ajudar uma pessoa que tenha dúvidas sobre sua salvação? Nosso desejo de que eles sejam salvos é tão ardente que muitas vezes nos estendemos longamente para provar que eles "passaram da morte para a vida". Entretanto, isso é algo que nunca deveríamos fazer! Estou convencido de que a psicologia do subconsciente da matéria é que desejamos "marcar mais um ponto na nossa contagem de almas ganhas" e fazemos proezas para tentar convencê-los que estão salvos, quando de fato, a dúvida e a busca da alma é saudável espiritualmente e não deveria ser curto-circuitada pelas nossas boas intenções. Se o Espírito Santo estiver trabalhando em seus corações, eles vão crer ou não — e nunca deveríamos ser estúpidos de tentar convencê-los do que ocorreu ou não em seus corações! A metodologia é humana e não tem nada que ver com a força sobrenatural da mensagem do Evangelho. É Jesus quem salva, não nós.

A posição neo-evangélica é contrária à Palavra de Deus e deve ser exposta e combatida em toda oportunidade. Em seu zelo para aumentar os números, os neo-evangélicos estão empregando todos os artifícios psicológicos imagináveis para conquistar a imaginação e os corações das massas. E isto, como é raciocínio humano, requer que a pregação "negativa e dura" contra o pecado não seja usada, pois é contraproducente para promover muitas decisões ao lado de Cristo. Esse conceito errôneo é a razão pela qual tantos líderes e organizações "cristãs" adotam posições suaves, neutras ou nebulosas com relação aos livros de Harry Potter, bem como acerca de muitas formas de comportamento pecaminoso. No entanto, nosso trabalho como pregadores, conforme definido pela Palavra de Deus, é "redargüir, repreender e exortar com toda longanimidade e doutrina" [2 Timóteo 4:2], e deixar que Deus trate dos sentimentos feridos.

Lembre-se, a ordem de Deus é que nos separemos dos pecadores do mundo, e então destemidamente apresentemos a cruz de Jesus Cristo a eles, dependendo do Espírito Santo para produzir o fruto da salvação. Aprendemos que devemos alcançar os pecadores com o Evangelho, embora devamos estar separados do pecado que há no mundo. "Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus. E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento; e salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne." [Judas 21-23].

Considere também que os médicos e enfermeiros cuidam de pacientes que têm as mais terríveis doenças exatamente da maneira descrita no último versículo. Eles salvam alguns, com a atitude de "arrebatá-los do fogo" da morte; no entanto, tomam o máximo de cuidado, protegendo-se da contaminação, "odiando até a túnica manchada da carne", isto é, a roupa contaminada pela doença. Esperamos que os médicos e enfermeiros tomem essas precauções ao tratar os pacientes portadores de doenças infecciosas; no entanto, não pensamos que os cristãos devam agir da mesma maneira ao tratar as pessoas que estão infectadas com o pecado mortal. Conseqüentemente, muitos cristãos se infectaram com o mundanismo quando tentaram "se infiltrar" para salvar o mundo.

Esta, meus amigos, é a verdadeira face atual do neo-evangelicalismo. É a verdadeira razão por que Charles Colson e Christianity Today recomendaram aos pais permitir que seus filhos leiam os livros do Harry Potter, e por que Focus on the Family fez uma recomendação condicional. Esses ministérios podem ter feito muita coisa boa no passado, mas "infiltraram-se" no arraial do inimigo por muito tempo, em proximidade tão íntima, que acabaram contaminados — e nem eles nem seus seguidores parecem compreender isso.

Verdadeiramente, Jesus estava correto quando predisse que os números de crentes no fim dos tempos cairia terrivelmente e fez esta pergunta: "Quando porém vier o Filho do Homem, porventura achará fé na terra?" [Lucas 18:8].

Não acreditamos que a Bíblia ensine que haverá uma grande colheita de almas — outro grande reavivamento antes do aparecimento do Anticristo; ao contrário, acreditamos que o apóstolo Paulo estava correto quando disse que haverá uma grande apostasia — um grande afastamento da sã doutrina. [2 Tessalonicenses 2] Essa igreja cristã apóstata estará repleta de joio (pessoas iludidas que pensam serem salvas). O fato de a igreja neo-evangélica de hoje ensinar doutrinas que não têm base bíblica, e que podem unicamente resultar no aparecimento do joio é mais um firme sinal que estamos no fim dos tempos.

Esses ministérios "cristãos" que recomendam aos pais os livros de Harry Potter estão criando uma igreja repleta de joio. Seus filhos farão parte do joio? Finalmente, da próxima vez que você considerar se seu filho pode ler os livros de Harry Potter de segunda a sábado e depois ir à igreja no domingo, considere a advertência bíblica:

"Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele?" [2 Coríntios 10:21-22].

Como o próprio Senhor Jesus orou ao Pai: "Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal." [João 17:15] SOMOS CHAMADOS PARA UMA SANTA SEPARAÇÃO!

O simples fato de organizações cristãs estarem recomendando essa nojeira que são os livros de Harry Potter é mais uma prova da apostasia da igreja e é mais um sinal que o fim do tempos está vindo sobre nós com força total.

Autor: Pr. Ronald Riffe

Escatologia - Doutrina das últimas coisas.

Escatologia

Portas Abertas Brasil - Os Cristaos perseguidos no mundo.

Portas Abertas Brasil - Os Cristaos perseguidos no mundo.
"Onde ter fé em Cristo significa morrer por ela!"

Open Doors - Deutschland

Open Doors - Deutschland
Verfolgte Christen Weltweit - Gefährlicher Glaube

Sponsor a Child/Ajude uma Crianca.

Sponsor a Child/Ajude uma Crianca.
"Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber." (Atos 20 : 35)